PUBLICIDADE

Topo

Histórico

Categorias

Fernando Gomes

Produtividade em encontros remotos pode ser similar aos presenciais

Fernando Gomes

24/04/2020 04h00

Crédito: iStock

As experiências sociais do ser humano e o ambiente no qual ele está inserido, formam a sua cognição, ou seja, o cérebro se modifica e se desenvolve com o novo. Mas, em tempos de isolamento, os encontros online podem ser tão produtivos quantos os presenciais?

 

Provavelmente você se recorda de em algum dia já ter dito: "olhei, mas não vi". A explicação para isso é cientificamente mais recorrente do que imaginamos. Estudos de percepção da neurociência apontam que podemos até processar aquilo para o qual não voltamos nossa atenção, porém só teremos consciência quando nossa atenção está focada em determinada ação. Isso significa que se não focarmos a atenção plenamente nos estímulos pelos quais estamos envolvidos, seja esse o som, o cheiro ou a imagem, essa informação não chega ao nosso consciente e, portanto, é descartada.

Se ao olho nu isso já não acontece com facilidade, como será em tempos de aulas e reuniões remotas? Dá para manter a mesma produtividade ou aumentar ainda mais o foco em ações online? Para a neurociência isso é perfeitamente possível. Partindo da nossa convicção de que o cérebro é plástico, ou seja, ele tem a grande capacidade de criar novas conexões neuronais ao longo de toda a vida e de se adaptar as mais diversas situações, dá para melhorar muito a nova forma de trabalhar e de estudar online.

É a chamada neurociência cognitiva, que estuda as capacidades mentais como pensamento, aprendizado, inteligência, memória, linguagem e percepção que temos que ter diante de cada tarefa que precisa ser realizada.
O fato de uma aula ou uma reunião não ser presencial não reduz a dificuldade do conteúdo e nem o nível de atenção que deve ser dedicado, muito pelo contrário. Isso porque, não terá nenhum chefe ou professor olhando o seu trabalho ser feito linha por linha, também não estarão ao seu lado para sanar dúvidas e você não terá motivos para distração ou desculpas e o trabalho deve ser concluído e entregue nos mesmos prazos que seriam exigidos se isso tudo tivesse que ser feito presencialmente. Não importa como o conhecimento está sendo repassado (com o uso de tecnologia ou de um quadro negro), as informações devem ser absorvidas e sintetizadas.

Um estudo feito no Instituto de Ciências do Ensino Básico, Academia de Ciências da Educação de Pequim, na China, entre os anos de 2000 e 2017 avaliou conhecimentos e resultados de habilidades de alguns estudantes de graduação e através de metanálises e afirmaram que há uma diferença estatisticamente significativa entre aprendizagem online e offline e concluíram que não há evidências de que o aprendizado offline funcione melhor. Se comparado ao aprendizado presencial, o aprendizado remoto tem vantagens para aprimorar o conhecimento e as habilidades dos que a executam, portanto pode ser considerado como um método potencial para produzir e render intelectualmente. Segundo a pesquisa, o aprendizado online tem suas vantagens, mas para garantir a eficácia os materiais digitais precisam ser adaptados de maneira a serem mais objetivos e claros.

Para provar que a tecnologia pode ser usada a seu favor, outro grande exemplo é o trânsito congestionado nas capitais que fazem com que muita gente perca horas em locomoção de casa para o trabalho ou para escola. Sem essa necessidade, essas horas podem ser revertidas para o aumento da produtividade no ensino ou no trabalho, ou para as atividades pessoais ou até dedicadas ao sono –uma grande ferramenta capaz de estimular o foco e o aprendizado.

Outro grande trunfo do trabalho remoto é que, dentro de casa, a qualidade da alimentação caseira pode influenciar diretamente na atenção e no foco. Coisas que são mais difíceis acontecer quando os almoços executivos ofertam as tentações das comidas gordurosas que atrapalham o funcionamento cerebral.

É natural do ser humano compensar a presença física e o contato visual para distrair a atenção que deveria ser plena em encontros presenciais. Por isso que a distração dos ambientes de trabalho para a hora do cafezinho, para as conversas com colegas que acabam reduzindo o tempo de produção são sanadas com o trabalho remoto.

Para tirar o melhor de tudo isso e se reinventar com inteligência aos novos moldes é preciso foco para dominar e criar um envolvimento criativo de oportunidades estruturadas para se envolver totalmente em uma ação online. O lado bom disso tudo é que depois de aprender a lidar com o novo, com todos os mistérios e segredos desvendados fica simples lidar com qualquer adversidade que possa aparecer mais pra frente. E mais do que isso: é perfeitamente possível se sair sempre muito bem em todas as novidades que possam aparecer.

Neurodicas para aumentar a produtividade no mundo online:

  • Estipule limites: quando você mora no escritório, é fácil trabalhar ou estudar demais. Se policie e crie rotina diária com horário exato da sua jornada para começar e terminar o seu dia de trabalho;
  • Bloqueie as distrações na internet: existem ferramentas possíveis para bloquear sites e aplicativos. Caso tente abrir uma URL bloqueada, um alerta aparece para que você volte às suas tarefas;
  • Organize uma lista com todas as tarefas do dia e risque-as a medida em que forem sendo cumpridas;
  • Escolha um ambiente específico da casa apenas para se dedicar aos estudos ou ao trabalho que seja tranquilo com uma mesa ou escrivaninha, boa iluminação, cadeira confortável e todo o material que será necessário próximo as suas mãos;
  • Escolha o seu melhor horário: já que não é preciso bater cartão, leve em consideração qual o momento do dia em que você costuma ser mais produtivo, manhã, tarde ou noite, por exemplo, e abuse disso.
Referência:
Pei L, Wu H. Does online learning work better than offline learning in undergraduate medical education? A systematic review and meta-analysis. Med Educ Online. 2019;24(1):1666538.

Sobre o Autor

Fernando Gomes é neurocirurgião e neurocientista, graduado em medicina pela FMUSP (Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo). Concluiu Residência Médica em neurologia e neurocirurgia no HC (Hospital das Clínicas) da FMUSP e possui título de especialista em neurocirurgia pela SBN (Sociedade Brasileira de Neurocirurgia). É pós-graduado em neurocirurgia pediátrica pela World Federation of Neurosurgical Societies, doutor em neurotraumatologia experimental pela FMUSP e professor livre-docente pela disciplina de neurocirurgia da FMUSP. Autor de 8 livros ligados à medicina e ao comportamento humano, consultor e apresentador do quadro “E agora, doutor?” do programa “Aqui na Band” da Rede Bandeirantes de Televisão.

Sobre o Blog

Com temas ligados a medicina e a neurociência, esse espaço é dedicado a viajar pelo cérebro humano e desvendar os mistérios da mente. Com explicações simples e embasadas cientificamente, por aqui é possível passear pela maior e mais poderosa máquina que mora dentro da cabeça de todos os seres humanos. E, ao desvendar os aspectos físicos e comportamentais das habilidades, emoções e necessidades do comportamento humano fica mais fácil aplicar técnicas e novos hábitos para que rotina seja leve, saudável e prazerosa e turbinada em todos os aspectos.

Fernando Gomes