PUBLICIDADE

Topo

Histórico

Categorias

Cores exercem influência no cérebro e nos estimulam a comprar mais

Fernando Gomes

20/12/2019 04h00

As tonalidades das fachadas de lojas e vitrines podem estimular o cérebro a despertar o consumismo

Crédito: iStock

Lojas enfeitadas, vitrines coloridas e a busca por presentes movimentam o comércio nessa época do ano. E nada disso é por acaso. As cores carregam o poder de ativar diferentes áreas cerebrais relacionadas à impulsividade que estimula sensações e emoções e, quando bem trabalhadas, podem incentivar a compra "involuntária".

O nosso cérebro trabalha com o sistema de recompensas e às vezes as cores podem estar ligadas à memória de algo que foi prazeroso, fazendo com que a pessoa apresente a tendência de adquirir produtos com aquela tonalidade, por remeter a algo feliz que ela viveu.

Embora os sentimentos sejam subjetivos, algumas percepções são universais. Talvez aqui então a gente consiga entender porque o vermelho é a cor do natal e está presente em logotipos e vitrines de grandes marcas.

A cor vermelha ativa a área das amígdalas no cérebro e inspira energia, emoção e dinamismo. Já a cor preta, que também é percebida nessa mesma região cerebral, transmite nobreza, requinte e aciona a memória emocional.
O verde e azul são compreendidos por uma outra área do cérebro, o córtex pré-frontal, que ajuda na tomada de decisões e nas respostas afetivas.

Já reparou como é mais difícil encontrar lojas e marcas que tenham a cor branca como predominante? Essa "ausência" de cor é percebida pelo cérebro no córtex frontal esquerdo, uma área responsável pelo pensamento lógico e promove a sensação de calma que atenua a vontade de comprar.

Neurodicas:

  • Faça uma lista daquilo que é realmente necessário ser comprado. O foco é um dos maiores aliados que o seu cérebro pode ter;
  • Tenha auto controle, busque pelo menor preço e não exagere;
  • Não faça dívidas. A sensação de perder o controle pode ser um gatilho para doenças, como a depressão.
  • Presenteie quem você ama. Agradar o outro cria um processo automático para o cérebro que nos torna empáticos: fazer bem aos outros acaba nos fazendo bem também, ainda que isso custe dinheiro.

Sugestão de Leitura:

Misteriosamente sem Segredos. Fernando Campos Gomes Pinto, editora Segmento Farma, 2013.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.

Sobre o Autor

Fernando Gomes é neurocirurgião e neurocientista, graduado em medicina pela FMUSP (Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo). Concluiu Residência Médica em neurologia e neurocirurgia no HC (Hospital das Clínicas) da FMUSP e possui título de especialista em neurocirurgia pela SBN (Sociedade Brasileira de Neurocirurgia). É pós-graduado em neurocirurgia pediátrica pela World Federation of Neurosurgical Societies, doutor em neurotraumatologia experimental pela FMUSP e professor livre-docente pela disciplina de neurocirurgia da FMUSP. Autor de 8 livros ligados à medicina e ao comportamento humano, consultor e apresentador do quadro “E agora, doutor?” do programa “Aqui na Band” da Rede Bandeirantes de Televisão.

Sobre o Blog

Com temas ligados a medicina e a neurociência, esse espaço é dedicado a viajar pelo cérebro humano e desvendar os mistérios da mente. Com explicações simples e embasadas cientificamente, por aqui é possível passear pela maior e mais poderosa máquina que mora dentro da cabeça de todos os seres humanos. E, ao desvendar os aspectos físicos e comportamentais das habilidades, emoções e necessidades do comportamento humano fica mais fácil aplicar técnicas e novos hábitos para que rotina seja leve, saudável e prazerosa e turbinada em todos os aspectos.

Fernando Gomes