Topo
Fernando Gomes

Fernando Gomes

Categorias

Histórico

Dizer "eu posso" é capaz de provocar uma transformação cerebral

Fernando Gomes

08/11/2019 04h00

Crédito: iStock

A palavra "pode" altera as classificações de autoeficácia cerebral e promovem a motivação pessoal

Tente dizer para si mesmo diante de um desafio "eu posso", ao invés de "eu acho que posso". Isso é motivação. É aquilo que dá energia, controla o comportamento, age contra forças internas e externas, provém o destaque e afeta a produtividade.

Segundo um teste experimental feito neste ano pela universidade Brown University School, dos EUA, essa ressignificação da palavra "pode" levou a um grande aumento nas classificações de autoeficácia entre alguns voluntários que participaram de uma pesquisa de motivação.

O estudo mostrou que a motivação é muito mais do que apenas força de vontade. Na verdade, ela mora bem aí dentro da sua cabeça, mas por um motivo ou por outro, pode estar adormecida.

E sabe porque ela fica inativa?

Dentro do cérebro mora também a amígdala, que fica no fundo do sistema límbico e é a grande responsável pelas emoções. Na ausência de uma cena de estresse ou medo, por exemplo, a amígdala se torna mais poderosa e direciona as informações recebidas para o córtex pré-frontal, transformando tudo isso em memória de longo prazo. Essa memória é extremamente essencial para continuar executando uma tarefa – seja ela de cunho pessoal, profissional ou emocional.

Mas essa resposta positiva da amígdala não funciona sob estresse, e pior: ainda bloqueia esse fluxo de informações. Isso significa que, quando há baixas recompensas, a motivação para conseguir dar continuidade a uma tarefa será menor, e acaba se transformando em um espiral decadente e negativo.

Em outras palavras, para ter motivação é preciso ser recompensado e isso não precisa vir do outro – afinal, lembra que tudo isso mora dentro de você?

Por isso, forneça feedbacks positivos para impulsionar o bumerangue da sua vida e evite aqueles que te ameacem. Ao receber instruções claras do que você deseja de fato, o seu cérebro vai economizar energia com aquilo que não precisa e no final dessa conta vai sobrar benefícios para você.

Neurodicas:

  • Defina metas alcançáveis;
  • Torne uma tarefa menos difícil dividindo ela em pequenas tarefas;
  • Sempre que conseguir finalizar uma delas se recompense com algo que gosta de fazer – mas sempre em boa companhia;
  • Comece estabelecendo metas alcançáveis que sejam facilmente atingidas;
  • • Treine seu cérebro para a consciência positiva: para isso não diga "cansei", "não sei fazer isso", "estou com raiva", "estou frustrado" ou "estou triste". Quando você diz "eu sou/estou", você está realmente fazendo uma declaração sobre sua identidade, por isso essas frases só podem ser positivas. Assim, serão direcionadas a uma região do seu cérebro chamada córtex pré-frontal é "uma parte do cérebro que cultiva o testemunho, a empatia e a resolução de problemas";
  • Para treinar seu cérebro a se tornar motivado, diga "eu estou motivado", "estou animado", "estou empenhado com este projeto", "isso vai dar certo";
  • Acione o seu impulso de aprender sempre: aprender sempre algo novo pode dar mais sentido ao mundo ao seu redor. As novas tarefas têm a capacidade de promover um novo significado para suas ações.

Referências:
Williams DM, et al. Are self-efficacy measures confounded with motivation? An experimental test. Psychol Health. 2019 Nov 1:1-16.

Sobre o Autor

Fernando Gomes é neurocirurgião e neurocientista, graduado em medicina pela FMUSP (Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo). Concluiu Residência Médica em neurologia e neurocirurgia no HC (Hospital das Clínicas) da FMUSP e possui título de especialista em neurocirurgia pela SBN (Sociedade Brasileira de Neurocirurgia). É pós-graduado em neurocirurgia pediátrica pela World Federation of Neurosurgical Societies, doutor em neurotraumatologia experimental pela FMUSP e professor livre-docente pela disciplina de neurocirurgia da FMUSP. Autor de 8 livros ligados à medicina e ao comportamento humano, consultor e apresentador do quadro “E agora, doutor?” do programa “Aqui na Band” da Rede Bandeirantes de Televisão.

Sobre o Blog

Com temas ligados a medicina e a neurociência, esse espaço é dedicado a viajar pelo cérebro humano e desvendar os mistérios da mente. Com explicações simples e embasadas cientificamente, por aqui é possível passear pela maior e mais poderosa máquina que mora dentro da cabeça de todos os seres humanos. E, ao desvendar os aspectos físicos e comportamentais das habilidades, emoções e necessidades do comportamento humano fica mais fácil aplicar técnicas e novos hábitos para que rotina seja leve, saudável e prazerosa e turbinada em todos os aspectos.

Fernando Gomes